Claudio Marcellini

Inclusão Digital e Empreendedorismo para o Brasil

Categoria: Sem categoria (Página 5 de 24)

Acompanhe o Podcast no SoundCloud

Art:426 Ganhar dinheiro é fácil, primeiro eu ganho depois eu invisto?

É muito fácil ganhar dinheiro??

A cultura de receber antes de trabalhar e ganhar milhões da noite para o dia, é uma triste ilusão.

Desde que me conheço por gente observo que o país(Brasil) possui sérios problemas na Educação, digo na Educação de formação(colégio, escola), não que não existam problemas na educação e bons costumes, mas a questão aqui está relacionada a primeira(Educação de formação). Ano após ano, são divulgados dados, sendo a grande maioria, negativos. Professores ganhando mal e insatisfeitos. Pais e alunos desinteressados. Escolas sem a menor infraestrutura. Para resumir e dizer o mínimo.

Quando assistimos o noticiário ou lemos um jornal e constatamos os tristes dados acima, é natural vermos em seguida, algum político, gestor público dizer algo mais ou menos assim:

“olha, o que acontece, é que não temos dinheiro, o país precisa crescer, a economia precisa melhorar, porque aí com mais dinheiro, poderemos investir mais na educação”

Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Não, não, é sério, eu sei que parece piada. Peço a gentileza que leia novamente, o texto entre aspas e veja se faz algum sentido para você.

Enquanto, os países mais desenvolvidos do mundo e outros que os seguem, se utilizam um padrão que é muito mais óbvio e racional, ou seja, você precisa investir na educação para conseguir melhores resultados e desenvolvimento na sua nação, o Brasil vai na contramão.

Quando fazemos uma leitura diária de jornais e revistas atualizadas e nos permitimos entender e aceitar o que de fato acontece, podemos observar que o “conceito” de investimento aplicado na Educação, foi expandido para outros pilares essenciais da nossa sociedade.

Entendo que apenas, estudar, pesquisar, ler e acumular conhecimento e teorias não são tudo. Você precisa colocar em prática. Testar. Acredite, bastante coisa na teoria nem sempre dá certo na prática. Leve em conta as diferenças sociais, culturais, entre outras.Trabalhe duro. Invista e reinvista.

Dia estávamos realizando uma seletiva de recursos humanos. O objetivo da seletiva, era “enxugar” a empresa, tornando-a mais eficiente. Em reunião com um colega de trabalho que deseja permanecer na empresa e com receio de não conseguir permanecer para esta nova fase, ele me disse:

“então, a realidade é a seguinte, se eu ganhar mais, conseguirei produzir mais, trazer mais resultados sabe? Além dos meus afazeres pessoais em família, ajudo meu irmão aos finais de semana no negócio dele, isso me toma o fim de tarde na sexta, o sábado inteiro e as vezes o domingo”

Quando ele terminou de se expressar, eu perguntei, se ele havia ouvido o que me dissera e refletido antes a respeito. Afinal o ser humano possui a capacidade única de pensar.

E ele me respondeu: “sim, sim”

Então você está me dizendo que precisa de dinheiro, e que a empresa deve investir em você antes dos outros, antes do resultado acontecer, é isso? Perguntei.

Naquele momento ele teve a certeza que não havia pensado antes de falar, tampouco havia refletido sobre o assunto. Baixou a cabeça e se desculpou.

Em seguida, desabou, “ estou numa pressão tremenda, minha esposa me cobra demais, as contas não param, quanto mais a gente ganha, mais se gasta……”

Sugeri a ele, que neste momento, o mais adequado seria que ele repensasse a sua vida e os seus interesses prioritários. Gerar ou não gerar resultados em ou para uma empresa, não faz alguém ser uma pessoa melhor ou pior. Nem todos nascem para o comercial. As vezes temos algum resultado, em algum momento, e generalizamos, acreditamos que nascemos para vender e empreender.

Empreender e vender não é para todos, é para poucos. Se fosse fácil empreender a mortalidade das empresas no Brasil não seria enorme. Você sabe quantas empresas nascem e morrem em menos de dois anos? Pesquise.

Você sabe quantas empresas pagam os seus devidos impostos, fornecedores, funcionários, prestadores de serviços, e outras obrigações em dia? Pesquise, mas não se assuste.

Sugeri ao meu colega de trabalho que tirasse umas férias, e fizesse uma reflexão de sua vida. Ele topou, seguiu de férias.

A cultura que ouvimos do governo, sobre ter resultados antes para se investir depois, se expandiu para todos os cantos. Tenho ouvido e observado situações similares a esta que usei como exemplo, onde um colega queria ganhar hoje e antes, dinheiro, para depois produzir, regularmente. Não deixe essa cultura enraizar em você.

Isso não funciona. Nunca funcionou. Sempre para se conseguir alguma coisa, você terá de trabalhar muito, trabalhar duro, investir bastante, estar atento a diversos fatores (variáveis controláveis e incontroláveis), para que talvez, depois, você obtenha algum resultado.

Escrevi 3 livros falando sobre isso, participei de centenas de entrevistas e documentários, falando sobre isso, desde 2001, sem medo de ser repetitivo, pois foi o único caminho que conheci, difícil e de longo prazo.

É difícil, muito difícil. Paciência e foco são importantes.

Se for fácil desconfie.

Não existe um empreendedor bem sucedido que ganhou dinheiro fácil. Não existe um empreendedor que ganhou dinheiro antes de investir e se dedicar.

Se for fácil desconfie.

” Odiar sem conhecer é ter inveja e não admitir. Por isso digo sempre: Quem comigo não vive, da minha vida não sabe nada!”  Bob Marley

Lembrem-se a ignorância trás o medo, a insegurança e o caos, o conhecimento trás a serenidade, o desenvolvimento, e o resultado.  Claudio Marcellini

Artigo 425:  Risco de franquear, e os porcos selvagens

Artigo 425:  Risco de franquear, e os porcos selvagens

 

Hoje á tarde sai com a minha esposa, fomos tomar sorvete, recentemente descobrimos uma sorveteria com deliciosos sabores a um preço popular, com dez reais, você compra 4, 5 picolés.

Realmente, é algo diferente. Conseguir no Brasil reunir qualidade e preço baixo, não é tarefa fácil. Mas ao que parece, esta marca conseguiu.

Ao realizar uma pesquisa, conheci um pouco da história da marca. O negócio de maneira informal, começou há quase 30 anos, quando dois empreendedores, funcionários de uma distribuidora de sorvetes(daqueles de pote sabe), tiveram a ideia de vender direto da fábrica, sem intermediários.

Por 15 anos, estudaram, pesquisaram, foram funcionários de 3 empresas do setor.

Após juntarem capital, e buscarem empréstimos, conseguiram abrir a pequena fábrica, que na frente, dispunha de uma loja(sorveteria) para o consumidor final. O objetivo, era oferecer um sorvete na casa dos 2 reais, mas com qualidade das marcas tradicionais que ofereciam algo parecido na casa dos 7 reais.

Para reduzir custos, as duas famílias dos sócios(9 pessoas) também moravam no imóvel. Na laje superior, fizeram um apartamento dividido. Dividiam também o mesmo automóvel de entregas, para levar os filhos na escola.

Depois de 10 anos(fora os outros 15 anteriores), 25 ao todo, o negócio estava estabelecido, mais 5 lojas próprias e algumas dezenas de distribuidores compunham a estrutura do negócio.

De domingo a domingo, as duas famílias estavam integradas e dedicadas ao sucesso da produção do sorvete e no atendimento aos clientes e distribuidores.

Há cerca de 5 anos atrás, tiveram a ideia de franquear o negócio, afinal, tinham um modelo de sucesso, a marca registrada e tudo aquilo que poderia fazer com que terceiros também alcançassem sucesso na venda de sorvetes.

No início do texto, mencionei que havia ido a sorveteria, que no caso seria uma franquia, insistimos por três vezes, afinal o sorvete é demais. Mas de cada 5 vezes que tentamos, em pelo menos 3 ela fica fechada, e o curioso é que vários clientes ficam pela porta, rodeando. Geralmente aos sábados e domingos.

Fiz uma pesquisa na internet, e observei vários “clientes” realizando reclamações(daquelas sem nome, sem rosto em fóruns sem referência legal alguma) alegando que não conseguiam comprar sorvetes mesmo dentro dos horários e dias divulgados pelo franqueado local. Era nítido que algumas reclamações provinham de concorrentes incomodados, e outras provavelmente de funcionários desligados da empresa, entretanto algumas em diversas regiões, eram registradas por amantes do sorvete e que apenas queriam comprá-lo.

Das 234 franquias, em 100% HAVIAM RECLAMAÇÃO.

Naquele domingo, após insistir por três vezes desistimos. Minha esposa, perguntou ao lojista do lado se ele sabia informar se a sorveteria (franquia) iria abrir, e ele respondeu “ ah, ai esse povo que comprou abre quando quer, geralmente nos finais de semana eles nem aparecem, tem semana, que vendem bem num dia, e depois só abrem na semana seguinte”.

Mais do mesmo………………ai Brasil………….

Essas questões observadas acima, me fez refletir, e compartilhar com aqueles empreendedores que pensam em replicar o seu negócio utilizando o modelo de franchising, que tomem muito cuidado.

Quando lia as reclamações, mesmo as mais vazias, citavam a marca e o nome dos sócios fundadores que haviam construído com as mãos o negócio depois de 30 anos, isso acontecia não somente pela concorrência que buscavam informações sobre a matriz, e outras, por supostos clientes, que possivelmente entravam no site da empresa, e observavam a marca e o nome dos idealizadores e não dos franqueados locais.

Tudo bem, trata-se de calúnia e difamação, e seria uma causa ganha para marca e os seus idealizadores, mas é possível que para alguns ignorantes sem discernimento, algo negativo fosse associado ao negócio.

Franquear é um perigo. Imagine você levar anos para construir algo, e ceder em troca de alguns cruzeiros e royalties o seu negócio a um terceiro. Será que este terceiro, terá a mesma Vocação? Determinação? Responsabilidade? Compromisso?

Dificilmente.

Provavelmente, como vemos por aí, é comum franqueados exigirem demais e além contrato do franqueador. Sabe aquela história, “paguei, o negócio é meu, que se dane”, triste.

De uma forma geral, apenas uma minoria possui capacidade para empreender com resultados e compromisso, de forma coletiva, ou seja, com pensamento de equipe.

Isso me fez lembrar sobre uma tese que li há alguns anos atrás, de um estudioso europeu que falava sobre grandes erros de governos em países em desenvolvimento, onde ao invés de encorajar e cobrar resultados do cidadão, passou a oferecer subsídios dos mais diversos tipos.

Esse estudioso, fazia uma comparação com a captura de porcos selvagens. Muito mais fácil do que caçar um animal, ele citava um método, muito simples, que capturava com pouco esforço muitos animais, bastava fazê-los perderem o instinto.

Era mais ou menos assim, o caçador identificava uma trilha na floresta, feita pelos animais, e em seguida fazia uma ceva. A ceva geralmente era composta por milho, e os animais paravam diariamente no mesmo local para comê-la. O bando inteiro. Em alguns dias, os animais não saiam mais em busca de alimentos, eles apenas caminhavam um pouco até o local da ceva e por ali ficavam. Dias depois, o caçador, fazia uma cerca em uma lateral. Os animais, sem nada perceber, pois a ceva com um pouco de milho se tornara mais interessante do que qualquer assunto da floresta. Mais alguns dias, outra parte da cerca era finalizada.

E pronto, em algumas semanas, aqueles animais selvagens, valentes, estavam limitados a uma área cercada, com um pouco de milho, dormiam, comiam, e era só. Haviam perdido o instinto selvagem.

Quando iniciei a minha jornada profissional, havia muito a ver, ouvir e principalmente a aprender.

Situações como esta que mencionei sobre a franquia acima, me deixavam assustado, perplexo. As pessoas sem compromisso, sem responsabilidade, pensamento individual……

Com o passar dos anos, percebo que uma grande parcela da população, se tornou “animais no cercado”, com tanto subsídio, perderam o interesse em fazer melhor. Em correr atrás.

Essa “cultura” se expandiu de tal modo, que em todas as classes sociais, observamos a procrastinação, a preguiça, e os subterfúgios na ponta da língua para se justificar.

Os menos favorecidos tem os “bolsa” alguma coisa. Os mais favorecidos tem “os” Bndes, e pagar imposto pra quê?

Quando sabemos aonde estamos, quem somos, e aonde queremos chegar, situações como esta narrada acima, apenas nos entristecem.

Hoje em dia, não fico mais perplexo, fico triste, em saber que alguém teve uma grande oportunidade em representar a marca de alguém com um produto de qualidade, feito com amor e garra, investindo bem pouquinho, e joga no vento a oportunidade, que tiro no pé.

Lamentável.

Tenha muita certeza antes de autorizar alguém a usar a sua marca, o seu nome, pois infelizmente, boa parte das pessoas que lhe procurarem para fazê-lo, não possuem a menor condição para tal.

 

 

 

 

#claudio marcellini

Artigo 424: Abrace o seu cliente, seja amigo dele, mas lembre-se, nem sempre o cliente tem razão.

Artigo: Abrace o seu cliente, seja amigo dele, mas lembre-se, nem sempre o cliente tem razão.

Ao longo dos anos, sempre ouvi aquele famoso bordão “ o cliente tem sempre razão”.

Será que essa máxima é verdadeira na prática?

Ao longo de cursos que realizei e de palestras, workshop que assisti, onde o tema “Cliente” era destacado, nunca ouvi um professor, palestrante, se debruçar sobre a questão do “cliente tem sempre razão”.

Acredito que isso aconteça pelo simples fato de existirem muito mais clientes do que empresas, isso sempre foi assim e deve continuar sendo, e dessa forma talvez por receio, muitos hesitem falar sobre o tema e talvez assim evitar discussões ou entendimentos equivocados.

Como o objetivo aqui, é, sempre foi, e deverá continuar sendo compartilhar conhecimento, me sinto completamente à vontade para expor as minhas ideas e pensamentos e receber ponderações, que por sua vez, podem me ajudar a melhorar e assim desenvolver artigos mais precisos e promissores e que por sua vez contribuam com os empreendedores do nosso país.

Comecei a empreender na infância, e já era possível observar, que mesmo atendendo o cliente com o prometido, existiam situações de insatisfações.

Ao longo dos anos, e podendo observar a relação empresa x cliente, sobre os mais diversos segmentos do mercado, oferecendo serviços e produtos, continuei a observar que a possibilidade de insatisfação (ou a não satisfação plena 100%) sempre poderá existir.

Não me pergunte o porquê, por que existem uma enorme quantidade de respostas possíveis.

Dia desses, comentava sobre o assunto com um grande amigo e executivo do setor automotivo, ao final, ele comentou : “ Professor, o cliente não quer saber do produto, do preço, do contrato, a prioridade dele é ter razão, tivemos um  caso onde a empresa foi processada por indivíduo que nem cliente era, mas se sentia na razão, sabe-se lá qual, em processar a empresa”

Ao longo de minha vida profissional, pude observar vários casos, e tentei criar um padrão. É difícil. É certo que a maioria que tinha alguma insatisfação em algum momento havia deixado de cumprir com as suas obrigações contratuais, e em outras trazia para a relação comercial um problema pessoal/emocional.

O ponto mais notório, e digamos, o perfil com a maior incidência de reclamação/insatisfação, que observei, foram 3.

primeiro, era o cliente que havia contratado algo que precisava muito, mas não tinha condições de cumprir com a sua parte do contrato, e logo após a sua formalização, subterfúgios e desculpas, por parte do cliente, se multiplicavam, aumentando ainda mais na data de pagamento, como uma forma de justificar que não tinha como cumprir com o combinado. Nessa relação, também observei, que caso existisse um representante/vendedor, que houvesse intermediado o negócio, este por sua vez, se não fosse um profissional de ponta, haveria o famoso melindre.

segundo, era o tipo que classifiquei como insatisfeito por natureza, se você pesquisar sobre um cliente deste tipo, poderá observar que ele já teve atitude similar com outras empresas, já processou a companhia aérea, a faculdade, a prefeitura, a padaria da esquina,…é aquela coisa da razão sabe, “eu processei, então tenho razão”. Processos são apenas folhas de papel, onde todo e qualquer pessoa pode escrever o que quiser. Esse tipo tem grande probabilidade de trazer desgaste aos profissionais da sua empresa, principalmente aqueles que não possuem o devido preparo.

terceiro tipo, é uma somatória dos dois acima, ele está de mal com a vida. A sensação é que ele compra um produto ou contrata um serviço, torcendo para que algo saia errado, e ele assim possa reclamar.

O mais importante, é você empreendedor, ter a plena consciência, que  sempre irão existir pessoas que estarão satisfeitas, e outras não. Se você não entender e aceitar isso, desista, fique em casa. O mundo é um desafio, todos os dias, e as chances de perder podem ser maiores em relação as chances de vencer.

Sempre gostei de fazer mais do que o possível. O nosso jurídico, algumas vezes me repreendeu dizendo – “olha se você fizer mais do que o combinado, poderá assumir responsabilidades que não são da empresa”, teimei, corri o risco, fiz a minha parte, embora o jurídico estava certo, tive empresas que tiveram processos descabidos e que ao final não deram em nada, mas foram gerados pelo excesso de suporte, acredite se quiser.

Seja profissional.

Independentemente do tipo de cliente que você tenha, ou dos problemas que possam ser gerados por qualquer que seja a insatisfação de um cliente, trate todos iguais, siga um padrão, tenha um formato pronto e já testado para os seus atendimentos. Somente com a prática você conseguirá.

E lembre-se, abrace todos os seus clientes, seja amigo deles, esteja à disposição, faça a sua parte independente das intenções do cliente.

 

Claudio Marcellini

Mark Manson

“o caminho do sucesso vai depender do tamanho da dor que você está disposto a suportar e  a felicidade está em resolver problemas sem problemas a vida não teria sentido!”

Art.423 O Ato de Discernir II – Riscos do Sucesso

Adquirir conhecimento, enfrentar desafios, possuir discernimento…..essa é a base dos grandes nome de maior sucesso da humanidade. Os maiores lideres de qualquer época, também foram os mais perseguidos, processados, difamados, pois talvez este seja o rito para se chegar ao cume do sucesso.

Quando você tem uma loja que atende um bairro, e atende meia dúzia de clientes por dia, os seus riscos são baixos. Se você possui uma empresa que presta serviços para toda uma cidade e necessita de 50 funcionários, com certeza o seu risco será maior.

Mas se você tiver uma ou mais empresas, que atendem todo um país, seja com a venda de produtos ou com a prestação de serviços, possuir milhares de clientes e colaboradores, com certeza você terá problemas.

Se observar, em qualquer busca, mesmo em canais como Google e Youtube, você encontrará, dezenas, talvez centenas de denúncias, processos e até condenações contra os maiores empresários e empresas do planeta.

1-Aproveito e lhe faço uma pergunta, você faria negócios com grandes empresários do Brasil?

2-E com o maior empresário brasileiro de todos os tempos?

3- E com aquele famoso buscador? Se o grande canal de buscas da internet quisesse fazer uma sociedade com você, você faria?

4- E o  senhor, que reformatou um modelo de negócio de comércio varejista que era visto como fracassado e o transformou em um dos maiores geradores de vagas de trabalho em meio a maior crise da história, você faria negócio com ele?

Pois saiba que todos, possuem diversos processos, inclusive por estelionato, sonegação e organização criminosa, fraudes diversas….. alguns, além de inquéritos e processos, possuem condenações. O buscador por exemplo gasta milhões em processo, e até países o estão processando.

E até a estrela da justiça nacional, foi denunciado recentemente.

Saber a diferença entre um processo e uma condenação, também é de suma importância. As leis no Brasil são confusas, há também muita corrupção e perseguições veladas contra os que estão no topo. Nunca esqueça, que inquéritos e processos, são apenas folhas de papel, e nelas qualquer um poderá escrever qualquer coisa.

Estamos em um país, que até facada em presidente mito acontece, e alguns acreditam que um louco, miserável, sem teto, articulou tudo sozinho. Acabou em um hospital para doidos, internado.

Portanto, tenha a certeza de quem você é e aonde deseja chegar, pois se escolher o caminho do sucesso, da fama, dos milhões e bilhões…..esteja preparado, ao menos no Brasil, você terá muitos problemas, afinal ninguém chuta cachorro morto.

Empreender é para poucos.

Ter coragem para empreender com sucesso, é realmente para muito poucos.

Claudio Marcellini

Art.422 – Auditorias, consultorias, a cultura do milagre, um tiro no pé, e o Discernimento.

Auditorias, consultorias, a cultura do milagre, um tiro no pé, e o Discernimento.

No Brasil, na última década, observamos um crescente aumento de escritórios que promovem as chamadas consultorias e auditorias empresariais. A maioria destes escritórios, que são voltados para os micro e pequenos empresários que necessitam de algum suporte de um especialista, são formados por profissionais que tiveram carreira e experiência trabalhando em alguma empresa, geralmente de médio ou grande porte.

Como executivos, passaram por diversos cargos, e assim foram acumulando experiências. Será que essa “bagagem” seria suficiente para orientar de forma prática e resolutiva pequenos empresários que precisam de soluções das mais urgentes e diversas?

O que pode ser observado, é que termos como valuation, due diligence, etc, são usados a todo tempo na oferta inicial de serviços por parte de consultores.

É mais ou menos assim, o consultor para saber o valor da empresa (valuation) precisa fazer uma auditoria (due diligence). Obtendo o valor da empresa e conhecendo os problemas financeiros, a idéia ao menos na teoria do “pacote de serviços”, é ajustar a empresa e direcioná-la a um caminho mais proveitoso, reduzindo custas, ou captando venture capital por meio de um novo sócio, dentre outras possibilidades.

Então vejamos, de um lado, temos em boa parte das vezes, um consultor com pouca ou nenhuma experiência prática como empresário, e que na segunda metade da vida, está obtendo uma receita adicional(complemento de renda), vendendo serviços. Do outro lado, temos um pequeno “empresário”,  marinheiro de primeira viagem na maioria das vezes, que caiu de paraquedas no mundo dos negócios, não fez um bom planejamento, não possuía ou não dimensionou capital de giro em quantidade adequada, não realizou uma análise de swot do mercado que ingressou, não fez estudos jurídicos ou fiscais da operação…..e como sabemos, negócios, no Brasil, sempre foram, e hoje mais do que nunca, muito difíceis de rentabilizar. Agora, o empresário está devendo as calças, deve nos bancos, deve ao fisco, deve junto a fornecedores, atrasa salários de funcionários…..e o pior, boa parte tem enorme dificuldade em aceitar a situação.

Com a melhor das intenções, e também com a necessidade de vender serviços para se manter no negócio, o consultor oferece serviços para auxiliar nos problemas da empresa. O empresário, quando paga, paga com o dinheiro que não tem. Geralmente, 30, 60, 80 mil reais, são os valores praticados por consultorias visando identificar problemas na empresa e promover suporte ao empresário. De um lado, o consultor presta o serviço, e o entrega em 30, 60 dias, mas por mais claro que tenha sido, o empresário do outro lado, recebe os serviços, mas espera um milagre. São dívidas das mais diversas que a tal empresa possui, e também muitos paliativos que só fizeram as dívidas crescerem, e que agora mostram a realidade, a empresa vai mal, e não um, mas muitos “milagres” seriam necessários…..

A venda dos serviços, acabou ali. No curto prazo. O cliente, sem a solução que imaginava nos sonhos mais profundos, sente-se frustrado, as vezes até enganado. Ruim para o consultor. Péssimo para o empresário.

Um tiro no pé!

Quem está errado? Penso que ambos. Um não possuía preparo suficiente e pensamento de longo prazo, assim, por melhor que tenha sido a prestação do serviço, acabou por ali. Talvez selecionar melhor o cliente, fosse uma solução. Mas é realmente difícil opinar nesse sentido. O empresário, por sua vez, precisa por a bola no chão e se situar. Vivemos no país com as mais altas taxas de juros do mundo. Os impostos, tornam muitas vezes, inviáveis muitos negócios. O crédito é de curto prazo, as margens de venda são cada vez menores, a concorrência cada vez mais desleal, falta de capacitação, falta de compromisso, falta de planejamento…….

Falta discernimento!

Aproveitando o assunto acima, vou estender escrevendo sobre as práticas de empresas de consultorias que se dizem especialistas nas vendas de negócios e captação de recursos para empresas. Cuidado. Muito discernimento. MUITO.

O enredo é muito parecido com o scopo descrito acima, no assunto de auditorias e suporte. Um ou alguns profissionais, com experiência como empregados, se unem, após uma carreira muitas vezes positiva, a frente de um departamento ou setores de uma determinada empresa.

Em primeiro lugar, devemos entender, que o mundo é muito mais dinâmico do que estar gerenciando o departamento de uma empresa em um país ou região. Outro detalhe, é que muitas vezes o executivo não conhece os bastidores da empresa como um todo, ele apenas recebe o seu salário e as vezes uma comissão adicional ao fim de cada período.

Agora, este profissional, enxerga possibilidades de ganho e renda extra, oferecendo serviços de avaliação e empresas, e segundo este, fundamentais para quem deseja receber um aporte ou vender a empresa. Cobram-se taxas, estimam-se valores….

A maioria pergunta, quem fez a sua auditoria, quem apresentou este valuation? Cada uma tem uma visão diferente e puxa a sardinha para o seu lado. Poderia aqui, citar centenas de casos relacionados e erros grosseiros neste formato para avaliação ou validação de um negócio, mas vou me resumir e citar apenas um que fora mundialmente conhecido aqui do Brasil, e é recente.

Um grande empresário brasileiro, um dos maiores de todos os tempos, apresentou auditorias, laudos, e plano de negócios, com as mais diversas certificações e validados pelos maiores especialistas do gênero. Trata-se de um conjunto de empresas, com atuações que iam do segmento de entretenimento a energia, logística…entre tantos outros. As empresas foram lançadas na bolsa de valores, no Brasil, nos Estados Unidos, passaram por todo tipo de fiscalização. Dezenas de milhares de investidores compraram ações. Investidores individuais, fundos, bancos, todos compraram o que viram no papel.

Muito papel, e blá, blá, blá….

O final a gente lembra, o castelo caiu. Não havia minério, petróleo, ou viabilidade para que os supostos negócios fossem adiante. Um dos juízes solicitou a defesa que enviasse a documentação, auditorias, laudos. Eram tantos papéis, tantas validações, tantas certificações, que foi necessário desocupar uma sala com 45 metros quadrados para servir de arquivo. Mais de 60 consultores, auditores e certificadores foram chamados. Mas ao final, o problema persistia. Os papéis jamais traduziram ou poderiam traduzir a certeza de um grande negócio. O prejuízo foi certo, grande, e por conta desse case em particular, muitos investidores fugiram do Brasil.

Foi um tiro no pé!  De todos.

Com certeza faltou discernimento.

A cultura de que a solução pelos erros cometidos, serão resolvidos de imediato por um milagre, é um erro. A cultura de que é possível investir com segurança, se baseando em papéis e ficar rico rápido dessa forma, é um grande erro.

Culpar os outros pelos seus próprios fracassos, é um tiro no pé.

Por isso, se você pensa em prestar um serviço de excelência e de forma resolutiva, pare pense, e verifique se possui preparo e condições para isso, condições práticas, que vão muito além de uma folha de papel.

Se você pensa em investir, ou montar um negócio sem capital, sem planejamento, e ficar rico rápido ou resolver os problemas acumulados em anos em um piscar de olhos, pare, repense a sua vida, e enxergue as coisas de forma factual.

Tenha discernimento e evite um tiro no pé.

Cláudio Marcellini

Curtir a vitória é fácil, o difícil, é enfrentar a derrota e continuar de pé, dia após dia – Art.421 Cláudio Marcellini

Curtir a vitória é fácil, o difícil, é enfrentar a derrota e continuar de pé, dia após dia.

Os últimos 3 anos, foram os melhores anos de minha vida pessoal e profissional.

Não tenho dúvidas, que estes resultados, só foram possíveis porque além de um time capaz, integrado e dedicado, foram muitas horas, semanas, e ano após ano, investindo consistentemente na essência do negócio.

Nos últimos anos, tenho reparado, no alto nível de negatividade que assola o nosso país. Isso me assusta. As pessoas, estão se unindo para reclamar, para chorar, para enfim desacreditar. Eu me pergunto, aonde esta energia negativa, com pensamentos de derrota, podem levar o ser humano?

Com certeza ao fracasso.

Na outra ponta, como se não bastasse, aqueles que pensam constantemente de forma negativa, disseminam a negatividade aos seus próximos. Repare, quando alguém está falando mal de alguém, de alguma empresa, do governo, como outras pessoas se juntam para “inflamar”. O que elas ganham com isso? No meio disso tudo, algo que também cresceu, em meio a esta “onda” negativa, é a condição de culpar os outros pelos seus próprios fracassos.

Em um país com sérios problemas de infraestrutura, política paternalista, falta de capacitação, cultura de que tudo é fácil, somados a esta negatividade permanente, poderão juntos gerar, somente uma derrota permanente.

A vida é um luta diária, e todos nós teremos bons e maus momentos.

A partir do dia em que nascemos, assumimos riscos que se tornam crescentes a cada dia. Em um mundo com mais de 7 bilhões de pessoas, aonde 1% destas detém mais de 50% de toda a riqueza, e mais de ¼ da população não tem água para beber, só nos resta lutar e acreditar.

Seja como funcionário, ou como empresário, minha sugestão é, Lute! Tenha fé, e una-se com aqueles que tem a fé e o amor no coração.

Falar mal dos outros, ser negativo, não ter fé, trair, agredir os seus semelhantes, é algo comum, e fácil, talvez por isso seja comum e crescente.

Tudo que é mais difícil, tem se tornado mais raro. Prefira sempre o mais difícil. Diz aquele velho ditado, “ o que vem fácil, vai fácil”.

Não se deixe abalar, por traições, mentiras ou desforras. Acredite, todos nós teremos problemas, e eles são bons, porque com eles podemos melhorar.

Já tive funcionários, que até a minha assinatura falsificaram, já fui roubado, enganado por pessoas muito próximas, e até por familiares, tive problemas de saúde, já fui obcecado pelo trabalho.

O tempo me mostrou que tudo isso, era um privilégio, pois pude viver, errar, e aprender com isso, ainda muito cedo, antes mesmo dos 30 anos.

Em 2013, tive o pior ano de minha vida em todos os sentidos. Apostei em negócios que não prosperaram, investi e acreditei em pessoas que não retribuíram, tive dois funcionários que roubaram e fraudaram duas de minhas empresas, e para completar fui lesado por pessoas de minha intimidade.

Mas quando olho de forma racional para trás, percebo que a culpa foi minha.

Eu errei ao investir em algo que não deu certo, eu errei em avalizar a entrada de pessoas que roubaram a minha empresa, eu errei ao apostar em pessoas que pensavam de forma individual em uma empresa aonde o progresso ocorre de forma coletiva, eu errei ao permitir que as minhas emoções falhassem com pessoas que mantinha algum sentimento……………….

Mas nada disso, me fez deixar de acreditar. Continuo a acreditar nas pessoas, nas empresas, no progresso.

Quando olho para trás, me sinto abençoado, porque puder acertar, errar e aprender. A vida é uma jornada, que promove um aprendizado diário, isto é, para aqueles que se permitem a entender e a aceitar.

Ao longo dos últimos 20 anos de minha jornada profissional, quando faço uma análise, vejo seis anos de estabilidade, cinco anos de construção, oito anos de crescimento constante, e um ano de prejuízos. Ganhei em 19 perdi em 1.

Quando somos empresários, quando somos empreendedores, devemos estar prontos para perder e para ganhar. Se você não está pronto para derrotas, esqueça, arrume um emprego, e vá ser funcionário de alguém. Empreender, é muito mais do que ganhar ou perder. Empreender, é acreditar, é investir dia após dia, seu tempo, seu dinheiro e tudo o que puder. Você vai descobrir, que Empreender também é muitas vezes ficar sozinho.

Gente para torcer contra você sempre vai existir, e acredite, quando isso aumentar, é porque você está no caminho certo. Afinal ninguém chuta cachorro morto. Imagine você, em um mundo aonde o tempo é escasso, e as crises econômicas são uma certeza, uma pessoa qualquer, parar o que estiver fazendo, e dedicar o tempo dela para criticar ou torcer contra você, pode ter certeza, que além de invejá-lo, ela jamais conseguirá ser você, e o máximo que restou para esta, é falar mal de você, no fundo essa pessoa queria ser você.

Uma vez no passado, quando ainda trabalhava de forma informal, ao resmungar em uma mesa de reuniões por conta de um negócio que não havia dado certo, um sábio empresário que na mesa estava, me disse – “o seu conhecimento é o seu capital”.

Ele estava certo.

Quem está á frente produzindo, criando, acreditando, conquistando, vai obter resultados, e não terá tempo para “fofocar’ ou “denegrir” outros.

Com o tempo, você vai perceber que os bons profissionais, olham para frente, e pensam para frente, foco 100% no progresso do negócio.

As pessoas comuns são diferentes, são aquelas que buscam subterfúgios para justificar os seus fracassos. São aquelas que tem sempre uma desculpa para justificar o motivo pelo qual o negócio ou a ação não prosperou. Minha sugestão é, fique longe destas.

Lembre-se do menos é mais. É melhor ter um único profissional de ponta ao seu lado, que cria na crise, e soma, do que uma dúzia que reclamam, que resmungam, que criam dificuldades a todo instante e não aceitam procedimentos.

É fato que em meio a uma grande crise, podemos aprender e muitas vezes teremos de mudar estratégias. Seja flexível, mas tenha as suas regras, não queira reinventar a roda.

O início de um novo ano começou. Promete ser um ano mágico. Nunca em minha vida profissional tive tanta atividade no mês de janeiro.

O mundo está mais competitivo, mais duro, apenas os mais fortes e preparados sobreviverão.

Os insumos, estão cada vez mais escassos. Explore ao máximo a sua capacidade.

Para mim, o homem vencedor de agora, não é aquele que levanta para trabalhar pensando apenas em conquistar, mas é aquele que levanta todos os dias e está pronto para apanhar. Apanhar diariamente, e levantar todos os dias novamente, com a mesma energia que o faria conquistar. Saber apanhar e continuar pronto e de pé, fará toda a diferença entre o sucesso e o fracasso.

O sucesso pode não acontecer. Mas a surra de todos os dias é certa. Portanto, esteja pronto para apanhar e se levantar, pois quando houver uma pequena brecha, você também estará pronto para vencer e permanecer por mais tempo no topo.

Tenha com você pessoas também determinadas, e dispostas a apanhar.

Curtir a vitória é fácil, o difícil, é enfrentar a derrota e continuar de pé, dia após dia.

Claudio Marcellini